Contos,Crônicas e Poemas de Ed.
Literatura, a arte que liga as pessoas o mais distante que elas estejam.
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

O Depor do Podre Poder
     No dia em que será definido o governante da cidade através do voto popular, levanto-me da cama a pensar em encontrar pessoas deixadas para trás. São participantes da minha vida que o tempo os espalhou pela cidade e uma vez em dois e dois anos cruzam literalmente o meu caminho. Alguns sujeitos não existem mais, pois foram embora por ordem do destino, como aquele crioulo sarará que cantava e encantava, entretanto eu sempre encontro a minha antiga professora particular, uma linda criatura. As esquinas de bares lotadas pela velha guarda assistem a passarela dos cidadãos oprimidos a votarem no conde vampiro e há sempre alguém convidado a participar das lembranças dos tempos dos campos carecas. A tecnologia avançada nos impede de sermos ralados, pois há sintética grama espalhada pela cidade, fruto das promessas do vencedor que aguarda da Transilvânia Brasileira, o resultado da nomeação do mandato.
     A rapidez do processo de votação aumenta o tempo disponível para que o povo transforme o dia que poderia ser de reflexões democráticas em festa de encontros onde não há hora para acabar, pois o som do DJ é altamente convidativo e somos atraídos pela sonoridade do lirismo da nossa música popular. Um coquetel ao ar livre comemora apenas o matar da saudade e o assunto política é trocado pelo futebol, a verdadeira paixão.
     A nossa democracia, uma falsa soberania do povo, não funciona como deveria, pois foi imposta por aqueles que nos defendiam e hoje a utilizam para conquistarem o comando, um poder sem moral.

     “ Há esperança de que um dia haverá o depor do podre poder”.
Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 02/05/2018
Alterado em 02/05/2018


Comentários