Contos,Crônicas e Poemas de Ed.
Literatura, a arte que liga as pessoas o mais distante que elas estejam.
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Simplesmente, Duda
Duda bateu em minha porta por volta de meia noite daquele sábado maravilhoso que nos proporcionou um dos melhores momentos de minha vida:
— Vô, a minha mãe está vindo me buscar.
— Mas Duda! Por que você quer ir embora?
— Vô, é que eu estava no celular e quando eu vi a foto da minha mãe, eu senti saudade.
Neste momento, o telefone tocou e minha filha Raisa dizia que fecharia o caixa e logo estaria a caminho.
Tentei dialogar com a minha neta a dizer coisas que poderiam fazê-la mudar de ideia:
— Meu amorzinho, a sua mãe ainda está vindo, porém eu gostaria que ficasse comigo até amanhã e te juro que logo que amanhecer o dia eu te levarei para casa.
— Mas Vô, eu estou com saudade da minha mãe.
Respondeu com lágrimas nos olhos.
— Duda, hoje nós nos divertimos muito no piquenique da Quinta da Boa Vista e o vovô fez todas as suas vontades. Jogamos futebol, o pula-pula ficou o tempo todo a sua disposição e eu pude mais uma vez desfrutar da companhia da mais preciosa criatura.
— Mas Vô, eu estou com saudade da minha mãe.
— Duda, por que então você não dorme cama do vovô?
— Mas Vô, eu estou com saudade da minha mãe.
Ela continuava a responder e suas lágrimas me deixavam com dó daquela pequena menina que encantava o meu coração a me impedir de dizer “não”. Tentei argumentar a dizer que o nosso bairro estava em estado de alerta, pois vários carros da polícia haviam se espalhado pela redondeza e durante o dia, o exército tinha cercado todas as comunidades e realizado uma operação de cerco e que por este motivo seria muito perigoso o deslocamento de seus pais para a nossa residência que se encontrava em outro município.
Eu esperava mais gotas de choro naquele rostinho rosado e copiado da bisa Tontonha daquela criança de apenas 8 anos de idade acompanhadas da repetida resposta, “Vô, estou com saudade da minha mãe”, entretanto, ouvi o mais retórico argumento:
— Vô, presta atenção. Este é mais um motivo para que eu vá em segurança pra minha casa, porque o meu pai vai estar protegido, pois o senhor mesmo está falando que existe vários policiais nas ruas.
Pronto! Não tive mais argumento, fiquei por alguns segundos paralisado a refletir na certeza que aquele pequeno pedaço de gente é capaz de me mostrar que  segundo Freud, “A história do homem é a história da sua repressão”.

Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 05/07/2018
Alterado em 05/07/2018


Comentários