Contos,Crônicas e Poemas de Ed.
Literatura, a arte que liga as pessoas o mais distante que elas estejam.
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

O Dolo e a Culpa dos Homens
Crônicas: O Dolo e a Culpa dos Homens

     Toneladas passeiam pelas altas profundezas do mar a se aliviar nos saltos que dão sobre as águas. É a beleza dos mamíferos de enorme fôlego a inspirar o ar e que não são capazes de virar os iates à vela que desfilam na superfície do mar com seus opulentos viajantes, elas apreciam os cascos e não têm a noção do perigo que passam quando o luxo das embarcações dispersa o lixo.
      Quando veem as pequeninas criaturas a se equilibrar nas tábuas de fibras, seus olhos se encantam tal a proeza das peripécias dos seres que se divertem apenas, ao contrário dos que repetem a cena de lançarem um montante de plásticos do interior dos navios ornamentados de riqueza a se alimentarem dos polvos, lagostas e outros valiosos crustáceos.
       A princípio não se percebe a nocividade do ato, contudo um estômago gigante vai pouco a pouco armazenando o que não se absorve e morre antes de poder pedir socorro aos navegantes que quando deixam de ouvir o som do melão não entendem que cometeram homicídio culposo.
       Um corpo mastodôntico da Cachalote a emergir  em câmera lenta em direção a praia deixa o mundo assustado com a impunidade. Não se pensa no ecossistema da mesma forma que se pensa em si, cuida-se do corpo humano com se fosse possível retardar a morte, todavia não se zela a natureza.
        Uma Baleia morta com quilos de garrafas PET, chinelos, copos e sacos consumidos não sensibiliza o homem que fere dolosamente o meio ambiente.


“ Só quando a última árvore for derrubada, o último peixe for morto e o último rio for poluído é que o homem perceberá que não pode comer dinheiro.”

Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 28/11/2018
Alterado em 28/11/2018


Comentários