Contos,Crônicas e Poemas de Ed.
Literatura, a arte que liga as pessoas o mais distante que elas estejam.
Capa Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Os estrupos, tropéis, que matam
O homem catava as sobras da estrada
Vítima do grupo de gravatas
Que o esqueceu
E o jogou às baratas

Houve estrupos no seu sentido
O de todas as manhãs
Pois sempre havia no chão, perdidos
Mas se viu os malditos

A massacrar a melodia
O sol refletia a hipérbole dos chumbos
Que confundia os cidadãos
Como prováveis vagabundos

Hoje, assentados no banco dos réus
O homicida peta a cometer injúria
A dizer que recebeu disparos
Dos dedos da penúria
Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 17/12/2019
Comentários